CAPA

DEDICATÓRIA

QUE MALUQUICE É ESTA

um pouco do quê, como e porquê

CONTATO

 

12 UM TEMPO AINDA SEM NOME
DE HOJE A  2005

• a nave e a tempestade

• tempos de controle das massas

• natal 2015

• lembrete a um país mestiço como eu

• qualquer rumo em que eu pedale

• doutor gramaticulino, sua esposa... e este que vos fala

• curitiba by night revisitada

• o destino na virada da peixeira

• the depression blues

• ninguém sabe por onde tenho andado

• usp revisitada

• somos todos índios

• você trocou o nosso amor por um aumento

• não me venha com esse papo de me ensinar a pescar  

• te quero companheiro de aventuras

• bom dia, coisa  

• mantram: a chave de tudo

• tempos de absoluta depuração IV:
Deus me mandou tentar viver sem Deus

•  tempos de absoluta depuração III:
de volta

• tempos de absoluta depuração II:
grão cavaleiro da sagrada ordem dos desordenados

tempos de absoluta depuração I:
parece que está tudo podre e quero dizer "desisto"

hic hoc

 

ENTREATO BRINCANTE 12-11
DE HOJE A  2008

declaração de precipícios

da fecundidade do andar por aí

morro são josé, 2012

academ(bah)ia
( namorando a bahia I )

namorando a bahia II

parfums de terre

vou / e volto

marchinha de carnaval

que o dia em que eu for embora

neste mundo

precisamos de Deus?

tabacaria versão ralf

desculpem, mas o que eu direi é

 

11 CONSTELAÇÕES QUE GIRAM NO ESPAÇO  : 2005 > 1995

amar é viver fora da realidade

pedaço de minha alma

espelho, espelho meu

eu confesso: em migalhas que caem

o calor do meu amigo me consola

exercício de matemática: 
substitua adequadamente o 'x'

ah coração, por que calaste?

quanto mais me calo

oh mendigo, eu

quanto mais te conheço, menos te sei

beijo a flor dos teus lábios

ouviste, ai coração!

entre as begônias e as agonias

ouve, menino, a poesia

meu coração não 'stá em mim

quero te encontrar 
no quintal da tua infância

falaste de um vinho suave

e se tuas mãos me deslizassem

de desertos e oásis

mais pra bolero que haikai

• se tivesse que escolher

• khayam me diz: respeito o amante

qual foi o tremor da tua voz

 

ENTREATO BRINCANTE 11-10
2001 > 1995

como quem não quer nada - variações

neste berçário

mais um cachorro vai embora

este mundo é mesmo um paraíso!

ventos da liberdade

e as palavras que apaguei

a natureza é bela, mas

um povo antigo qualquer

impessoa ou a virtude da burocracia

• também havia jovens naquele tempo

ao cair na xícara o café cantou

surdo dos olhos

crente de terno

ai minhas finânsias

por que quando eu grito "amor"

emoções ptolomaicas

ah, esses concretismos

aulas de inconformática

in te lec tu alma

e a partir do século XV (europeidos)

dos erros corretos (espernaça)

essa coisa faltando

somos uns coitados

das ruas de sampa

meu deus, que eu não seja 
pedaço de bosta

dos autoenganos (sincera mente)

sem ti, mental...

aguarde por favor (fora de sistema)

 

10 ENTRE MURALHAS E ANSEIOS DE HORIZONTES : 2005 > 1987

quando eu somos um

• que eu pudesse, em certos dias ao menos

águas passadas não param de mover

tua cor de lama

ah, eu quero ir pra lá

entre portos e correntezas I e II

salmo em sampaulilônia

ativo & atento - forma I

ativo & atento - forma II

transversum mysterium

é perigoso, meu pai

a infância é o exílio das decisões sobre a matéria

curitiba, 60 e pouco

a hora em que eu for chamado

ao monte méru

vós filhos e netos da áfrica

e eis que se havendo cumprido os dias

back to sampa

depois vocês vêm e dizem

no cemitério dos rickli

de repente o silêncio se torna agudo

 

ENTREATO BRINCANTE 10-9
1993 > 1987

ideicida

com licença (poética)

tenho andado meio pra baixo

lado sul

quando é que me dás o prazer

de doce não é muito o que eu preciso

mandei meu currículo ao mundo

às vezes até saio da cama atraído

eine kleine petite-bourgeoise Musik

em guardanapo alemão

parole (estou farto de café e de palavras)

não existe primeiro nem depois

se tens em tuas mãos algum anjo pequeno

disse, por dizer, como todos

drama adolescente

 

9 POEZOO ou ESPELHO ANIMAL
1991 > 1982

como podes ser meu amigo, rapaz?

poezoo: epílogo (nos tempos em que havia uma abelha morta sobre a pia)

uma vida inteira presa à terra

quando passo pelas estradas

eu ainda mal miava quando me arrancaram da minha mãe

ó grande Inominável, se te importas

uma formiga trôpega e silenciosa

não me olhe assim como se fosse um bicho

um pássaro cantou de madrugada

seu reverendo

o que pouca gente sabe é que ferdinando

como ovelhas sempre amamos

chamem o veterinário

te quero um trompete 

no verão os bichos saem das tocas

espelho animal

olhando as estrelas escuto sonetos

nênia ao inútil quati no asfatlto

ahí están los peces haciendo sus diligencias

é, pingo, meu cão

seis anos

ser feliz, dizia o gato (fragmento)

 

ENTREATO 9-8: HAIKOIDES E OUTRAS MIUDEZAS
1987 > 1986
 

• ler rapidamente o jornal de ontem

• ser vencedor, pra quê?

• entardece. lua e vênus no céu.

• o sexo é de fato lindo

• finalmente verão!

• balão

• um bule de café florido

• ser como um rio

• você conhece a Rose Feijão?

• a língua portuguesa

• perigo extremo

• sonhava que a vida fosse cheia de flores

• alguém me jura que foi o leminski I e II

• hei, menina, pare!

ao sabor das danças

• bancando pai & mãe

• e se a glória do paraíso não passar

• capital / sociedade anônima

• anoitece sobre curitiba

• a solteirona e a viúva

• de ver navios

• corre hoje

• anti-zen

• homenagem

• queria agora alguma coisa apaixonada

• qual das realidades é a real?

• contraponto (a helena kolody)

 

8 INTERLÚDIO CURITIBANO
1987 > 1985 

• no meu travesseiro 

• nuvens se amontanham 
(lua que subindo me viste) 

• noite

• primeira lição de teoria musical

• revisitando narciso

• a yukio mishima

• o que a mente faz quando quer poetar

• adeus ao piano

• ave materia

• a quem me perguntou por que nao escrevo sobre jesus

• boa vista (roraima) 30/01/1986

• o inimigo público nº 1

• contrapunctus bromeliaceus

• o verdadeiro sabor da cidade

• cantiga d'amor

• não quero mais poesia nem canção

 

7 PASTANDO AS LEAVES OF GRASS : 1984 > 1983 

• contra a experiência, o experimento 

• para ana estrella libertad

• encontrei alguém de mim

• apesar de tudo o amor insiste

• resmungo musical (nhapindá)

• balada do porto de santa maria

• vivemos uma eterna despedida 

• outono

• recomeçaram os ventos

• o que minha alma cozinha 
escondida de mim

• olhando de longe

• da chamada noche oscura del alma

• after the day after ('eu disse' nº 2)

• desconversas ('eu disse' nº 1)

• impresiones sudamericanas 3:
a ti, ó filha dos andes

• impresiones sudamericanas 2:
varig - linhas aéreas de onde mesmo?

• impresiones sudamericanas 1:
chegando a são paulo, de asunción

• cantiga

• nós que nem te invocamos

• A.A.O.

• pastando as leaves of grass

 

6 FALANDO ALTO PELOS
BOTECOS
  : 1986 > 1981 

• araucária (é o progresso chegando) 

• como se a peste tivesse chegado

• balada da tuba bêbada

• lembrando de gil vicente II:
salva-nos, gritava a multidão

• lembrando de gil vicente I:
dona eulália e o coisa ruim

• até que enfim eu vi o progresso

• geografia olfativa

• o que entra pela boca

• draminha boca-de-aquarius

• poesia, hem? quem diria!

• assim falava zé

 

ENTREATO BRINCANTE 6-5
1984
 > 1981 

• rickli x rilke

• vocação I e II

• eu já fui torturado entre a busca do amor

• bebida bem melhor do que cachaça

• O flüssender Bach!

• não entendeu nada, ele

• marinheiro, marinheiro

• essa serra esse cerro esse monte

• ay madre, qué grande es el mundo

• vida de bar

• e eis que olhando não vimos

• buracocracia

• na lama de um buraco da rua de um buraco

 

5 EM TRÂNSITO  : 1983 > 1981 

5.3 : SOB O SIGNO DE VIRGEM

• oh deus, onde estás ... 

• quando eu olho o fundo escuro

• proud to be utopic

• do caos que vem

• oração humilde e variante nem tanto

• você já olhou a luz que brilha

• estoicismo epicurista 1: pouco a pouco aprender a beleza do áspero

• estoicismo epicurista 2: escancarar portas e fugir do falso

• estoicismo epicurista 3: de deus, 
pedir muito

• estudo quase musical

• a um jovem gay observado em curitiba

5.2 : POR CIDADES E NOITES

• modas de verão 3: moda de verão 

• modas de verão 2: quase candente

• modas de versão 1: brilho estranho

• desci ao coração da cidade I e II

• em guarapuava como em são paulo

• escala noturna

• quadro hiper-realista em cores chapadas

• é natural: o tempo passando

• é de pura alegria esse prazer

• noturnos I e II

• vou sair pra procurar as castanheiras

• mulheres & mulheres II: boêmia

• mulheres & mulheres I: visita familiar

• esconjuro A & B

• prefigurando a ressaca

5.1 : IMPRESSÕES PAULISTANAS

• como toda grande cidade

• dez milhões

• boca da noite

• entre artistas

• em sociedade

• kitchenette

• trindade das madrugadas

• trova besta de guardanapo

• a uma serra

• brigadeiro luís antônio

outro bar

 

4 O AUTO DA PAIXÃO DA CIDADE  POEMA CÊNICO : 1982 

  APRESENTAÇÃO

• prelúdio: 
mundo mundo interminável

• recitativo e ária:     
ser humano não é, como ser bicho

• dueto involuntário: 
toda a minha vida é a terra

• coro: quando deus inventou 
a cidade e seus confortos

• intermédio: 
quando o homem veio das estrelas

• discurso: 
jerusalém, jerusalém

• quodlibet: 
a ti, cidade / nisi dominus

• hino: 
quando a morte eu vejo no horizonte

 

3 UM TEMPO LÁ PARA ENTENDER O AQUI  : 1981 > 1979

• tema de vida: não, não queríamos lutar

• três elegias sobre a cidade
III -
por onde começar a dizer 

• três elegias sobre a cidade
II -
das possíveis lamentações futuras
de algum jeremias presente

• três elegias sobre a cidade
I -
sonho feito em matéria

• esse bicho no meu peito ( I )

• no café de forest row
(esse bicho no meu peito II )

• como vento desfazendo o sufoco
(de uma carta)

• contemplação de uma garçonete árabe em lanchonete inglesa

• na estrada para além dos sonhos (ah planaltos planetas platinas)

• das duvidosas virtudes de certas ervas

FARELOS INGLESES

• quando caetano & gil estavam na ilha

• alguém disse que franceses são gatos

• bbc radio 3

• desdobra-te, europa

• questão vital

• houve aquele caipira 
(por que não aprendi)

 

2 ABRINDO ASAS  : 1979 > 1978

• comunhão caipira (miniatura etílica)

• devolvam a minha terra

• curitiba, noite

• tempus fugit

• zen?

• você diz que bebe pra esquecer. já eu...

• ilha de vera cruz

• segunda elegia de guarapuava

• variações em torno de uma palmeira

• faz-te forte, coração

• perigo de vida

• o sobe e desce dos dias

• secaram-se-me as lágrimas

• alguém me fala de sua cauda

• mágica tarde, de contemplação e de abandono

• estou sozinho e sem a paz da solidão

• cantiga d'amigo

• definindo a amizade

• primeiras considerações sobre o rio e seu caminho

 

1 COLD AND MISTY MORNING  : 1977 > 1974

• introduzione ed allegro (ma interrotto)

• despertar de um dom qu(p)ixote às onze horas da manhã

• o vos omnes

• aos dezoito (avistando o deserto) 

• divertimento barroco

• meu coração e mente, digam

• negra rosa azul dos campos

• das muralhas de troia lançado

• de filmes e plateias

• sábados curitibanos

 

0 IN POETICO UTERO  : 1973 > . . .

• ESCLARECIMENTO SOBRE A SEÇÃO

• por que, quando chega a noite

 

UM INVENTÁRIO PROVISÓRIO DE GRATIDÃO POÉTICA